(11) 4116-1047

(11) 99115-7707

R. Fernando de Albuquerque 31 - cj. 42

atendimento@metodosweb.com.br

EMPRESAS FAMILIARES EXEMPLOS DE PROBLEMAS E SUAS SOLUÇÕES – Parte 2

Consultoria Empresarial e Gestão  

Uma empresa é um organismo vivo, que se modifica aos poucos com o passar do tempo e sofre com problemas de várias naturezas, sejam novos e inesperados, ou antigos, que parecem ser difíceis de solucionar.  Quando se procuram alternativas,estas  podem gerar também novas oportunidades,que  a seguir são abordadas com sugestão de soluções.

 1 – Dificuldade para treinar e avaliar os herdeiros e sucessores, com rédea frouxa, com relação à formação escolar e especialização ou  adiar a busca de um “Coach de Gestão Familiar” para acompanhamento pessoal dos herdeiros e com isso prolongar o tempo de capacitação dos mesmos. Ou mesmo, avaliar de forma muito dura os herdeiros mais próximos, endurecendo a ocupação dos espaços ou amolecendo demais e pulando etapas, como em casos de famílias que colocam os filhos ainda verdes nos cargos mais altos, por uma questão de status familiar. A palavra chave é PROFISSIONALIZAÇÃO TOTAL, para todos, sejam parentes ou não.

Solução: estabelecer dentro dos acordos societários e éticos, os procedimentos formais para treinar, capacitar e avaliar os herdeiros e sucessores, seja na formação básica essencial,  direcionada ao negócio e suas áreas de atuação, seja na especialização, visando enriquecer funções ocupadas, seja em viagens de negócios, para conhecer novas tecnologias que possam ser incorporadas, trabalhar em outras empresas durante uma temporada para ter uma visão mais abrangente do mercado.

2 – Discriminação no uso das instalações da empresa, seja refeitório, com mesas reservadas,  ou estacionamento, como placas “reservado para diretoria” ou dr. Fulano…

Solução: integrar os ambientes de refeição, como já ocorre em grandes empresas, como Petrobrás, Bradesco  e outras, onde ambientes corporativos como sala de diretoria são integradas, sem paredes ou salas fechadas.  E criar estacionamentos, de acordo com a quantidade de carros existentes na empresa.

3 – Divergência de interesse entre dirigentes e herdeiros e sucessores, quanto ao futuro do negócio, afetando decisões de investimento, seja em pessoas, instalações, máquinas e equipamentos, adiando, perdendo oportunidades.

 Solução: estabelecer um processo para tomada de decisões corporativas, que reduzam o tempo de implantação das ações tomadas, evitando que sejam adiadas por questões pessoais dos envolvidos e ter um conselho, que através de um representante, direcione as decisões, para superar os conflitos de interesse ou personalidades. Também poderão separar os divergentes,  que ainda tenham competência para continuar no negócio, em unidades diferentes, onde possam mostrar resultados, sem ocorrer choque pessoal entre os mesmos.

4 – Estrutura organizacional não competitiva e desatualizada, perdendo capacidade de competir no mercado em que atua, com produtos defasados, estrutura funcional acomodada, perdendo espaços para concorrentes antigos ou novos.

 Solução: realizar uma reengenharia administrativa, na estrutura organizacional, redesenhando a organização, suas funções e seus produtos e investimento para recuperar ou ocupar novos espaços no mercado.

5 – Excesso de herdeiros e sucessores na geração atual da empresa, com lotação maior que a capacidade financeira da empresa, para manter um padrão social compatível com os desejos pessoais.

Solução: expandir os negócios, inclusive incentivando a criação de empresas pessoais não concorrentes com a atividade fim do negócio principal, que poderão ser fornecedoras ou mesmo atuar de forma independente, gerando caixa adicional para suprir as necessidades pessoais dos sócios, que o pró-labore e salário não comportem. Definir também a quantidade de herdeiros e parentes que a empresa poderá absorver e incentivar a busca por carreiras independentes, para manter o equilíbrio entre espaços disponíveis e quantidade de herdeiros desejando ingressar no negócio da família.  Afunilar o processo para entrada de familiares, ou seja, tem espaço, é capacitado, entra. Se não for, fica fora. Não tem espaço, ninguém entra. É uma forma de criar um critério, que deverá constar nos acordos societários e éticos.

 Autor: Prof.João Mariano de Almeida, administrador de empresas, com pós em RH e mestrando em Gestão de Negócios, consultor da Métodos Consultoria empresarial.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top