Como seria o melhor Sistema de Custos ?

Consultoria Empresarial e Gestão  

Como seria o melhor Sistema de Custos

Existem muitos Sistemas de Custos, a começar citando o RKW, de origem alemã, o melhor sistema de custo, antigo mas ainda muito usado inclusive por consultorias, pela qualidade no rateio das despesas.

O ABC, que tem a vantagem de considerar todas as atividades e tarefas, etapa por etapa e nos detalhes, mas focado mais em indústrias.

O UEP, criado por Franz Allora e que é bastante implantado em indústrias de alimentos de grande porte,  por se compatível com qualquer ERP.

E outros, que poderiam ser citados, mas estamos aqui tratando o “FARO CERTO”, similar à UEP, em alguns aspectos, ao RKW em outros.

Como seria um ótimo sistema de Custos para uma Indústria ?

 A partir da nossa experiência de mais de 20 anos no assunto, consideramos que seria um sistema que não utilizasse apenas a matéria prima nos seus cálculos.

Essa é uma condição básica.

E Por quê  adotar um nome tão diferente ?

 Vamos chamar nosso sistema de “FARO CERTO”, numa homenagem aos grandes empresários que usam percepção e sensibilidade, aliadas à gestão por números, para tomar suas decisões.

Que Vantagens esse sistema  de custos teria sobre outros ?

Diferente dos outros, o sistema “Faro Certo” calcularia cada componente separadamente. Portanto a empresa poderia a qualquer momento, mudar o material dos componentes, ou o jeito de fazê-lo ou até suprimi-lo e o efeito no preço do produto seria mostrado pelo sistema na hora, “on-line”.

O sistema “Faro Certo” calcularia considerando o tempo que cada componente ou produto gastasse de mão de obra direta, portanto, qualquer alteração no salário ou substituição de funcionários, o sistema calcularia o novo preço. .

Por considerar a mão de obra direta, cada produto teria o seu próprio custo de transformação, permitindo identificar quais deles “vampirizam” o lucro de outros. .

Diferente de todos, o “Faro Certo”, calcularia o custo de cada fase de produção considerando a depreciação das máquinas e todos os gastos de cada fase. Portanto, em qualquer substituição de máquinas, o sistema calcularia o novo preço. .

Daí, o empresário não correria o risco de sucatear seus equipamentos, com produtos que não carregam em seus preços de venda, o valor da reposição de novas máquinas. .

No final de cada período, o “Faro Certo” calcularia quantas horas foram pagas e quantas foram realmente produtivas em cada fase de produção e em toda produção, calculando a eficiência da fábrica. .

Calcularia também o grau de eficiência da produção, o ponto de equilíbrio da empresa e geraria dados para estudos de layout e projetar melhorias na produção. .

As fichas técnicas dos produtos trariam todas as características do produto : quais e quantos componentes possui, o tempo padrão que cada componente demora na produção, quantos minutos cada componente demora em cada fase de produção, quais matérias primas e seus valores, qual o custo industrial, o preço de venda e outras informações necessárias. .

Cada produto poderá ter diferentes % (porcentagens) de impostos, de comissões e de lucro. .

Permitirá simulações na criação de novos produtos.

Permitirá simulação de mudanças de encargos, de material, de salários e outros dados.

A comprar uma nova máquina, o “Faro Certo” mostrará o novo preço de venda do produto.

Há semelhança entre esse sistema e o “RKW” muito usado em consultorias ?

O “Faro Certo” terá uma tela de negociação financeira, que permitirá negociar na hora com o cliente, fazendo simulações até por telefone, alterando o ICM, comissão, frete, mudar os prazos, o número de parcelas, dar descontos, etc… permitindo saber se ainda permanece o lucro desejado.

O “Faro Certo” irá gerar relatórios de diferenças entre preços anteriormente praticados e os calculados, possibilitando realizar ajustes.

O “Faro Certo” irá gerar relatório da lucratividade de cada produto ou componente, assim como relatório dos produtos mais lucrativos baseados em suas vendas.

Se você não tem um “Faro Certo” na sua empresa, é hora de fazer uma reflexão e agir ! .

Leia também …

Autor: Prof.João Mariano de Almeida, administrador de empresas, com pós em RH e mestrando em Gestão de Negócios,  consultor da Métodos Consultoria empresaria , sendo co-autor o Eng. Arnaldo de Oliveira, mestrado em Eng.Civil e professor universitário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top